quinta-feira, 15 de abril de 2010

"Nem Deus afunda esse navio!" - Parte II

(Um pouco mais cedo estava com 38,8 °C de febre, mesmo assim vim aqui pra terminar a historinha pra vocês =)

Já na madrugada do dia 15, às 00h01, o Comandante mandou enviarem mensagens de SOS (essa foi a primeira vez em que esse código foi usado) pra TODO mundo! O Olympic estava longe demais, o SS Californian estava perto, mas não respondia (isso foi amplamente discutido depois), e o RMS Carpathia, da Cunard, pôs-se imediatamente a caminho, ele era o que estava mais próximo.

As mulheres e as crianças foram sendo colocadas em botes salva-vidas com uma capacidade para umas 73 pessoas, mas estes acabavam descendo com 10, 14 pessoas. Os oficiais estavam seguindo à risca essas regras de “mulheres e crianças primeiro”.
Nisso surgiram várias histórias sobre pessoas com crianças aleatórias, um homem vestido de mulher, uma da babá que entrou com o bebê do qual cuidava e a mãe ficou no navio pois não o encontrava... Nisso já dá pra imaginar a situação em que estava o convés.

E o navio afundava cada vez mais rápido e agora a 3ª classe (basicamente formada por imigrantes) começou a surgir desesperada. Algumas mulheres e algumas crianças conseguiram um lugarzinho, mas a grande maioria ficou. Recentemente um bebê morto no naufrágio foi identificado por sua família finlandesa; adivinhem, ele era da 3ª classe.
Não havia barcos o suficiente até porque alguns foram retirados, dizem que porque atrapalharia o espaço no convés, e pra piorar, essa idéia de que os barcos pra mais de 70 pessoas afundariam com pouco mais de 10 o.o
Só depois de um bom tempo os oficiais recebem a ordem de descer os barcos mais cheios.

Um rapaz de 17 anos chamado John Thayer, rico e tudo mais, meio que serviu de inspiração pro James Cameron com a brilhante idéia de se colocar pra fora do navio enquanto este se inclinava e depois pular (eu tenho certeza que vocês lembram disso >.>). John Thayer conseguiu entrar em um barco salva-vidas e começou a fazer um desenho do naufrágio. Ele registrou a quebra do navio ao meio e depois vários passageiros confirmaram o fato, apesar de isso gerar uma pequena controvérsia hoje em dia.
A orquestra do Titanic ficou tocando o tempo todo e nenhum dos músicos se salvou (gosto muito desses caras D:). Há uma pequena discussão sobre qual teria sido a última música, as candidatas são
“Songe D’Automne” – MARAVILHOSA, por sinal - , “Autumn” ou “Nearer My God To Thee” (a música escolhida pro filme).

O Titanic naufraga completamente às 2h20 da madrugada do dia 15 de abril. A água estava a menos de –o,5°C. Isso mata de hipotermia em 20 minutos, a maioria morreu assim; alguns azarados foram esmagados quando uma das chaminés caiu :x

Depois que algum tempo, já com o Titanic afundado, o RMS Carpathia encontra os sobreviventes. Alguns morrem dentro do navio, mas a grande maioria chega viva a Nova York.


O Capitão do Carpathia sendo premiado por seu ótimo serviço de resgate.

A mulher que lhe dá o prêmio é a Molly Brown, ela sozinha comandou um dos barcos salva-vidas o/

Daqui pra frente tem umas histórias bizarras dignas de um filme “Premonição” versão Titanic. Muita gente morreu pouco tempo depois e de forma trágica! Mas em compensação alguns sobreviveram até os 100 e poucos. Que gracinha *-*
Quando abriram o inquérito (eu já li), J. Bruce Ismay, o diretor da White Star Line, passou de pessoa amada pra pessoa odiada. Tudo isso porque ele sobreviveu e ninguém sabia porquê, afinal Thomas Andrews foi digno de honra por afundar junto com o navio que construíra, assim como outros cavalheiros. Pra piorar, uma passageira disse ter ouvido uma conversa entre ele e o Capitão Smith, onde Ismay pressionava o Comandante pra acelerar o navio pra 23 nós e assim garantir a Faixa Azul (que era concedida ao navio mais rápido) e bater o recorde do Olympic, mas isso já era óbvio!

A mãe do mais novo dos músicos pediu uma indenização, mas a White Star Line disse que ela é que devia o dinheiro do uniforme a eles. Tenso.
Há também a bonita história dos Mr. e Mrs. Straus, velhinhos ricos que não se separaram.
E um dos oficiais se matou, mas até hoje ninguém tem uma idéia muito clara de quem foi...
Interessante que esses e muitos outros foram retratados no filme, mas quem liga pra eles? (eu ligo! E sempre ligarei \o/)
Sério, existem muitas histórias interessante sobre os passageiros ^^


No fim parece que tudo estava dando errado desde o começo: sonhos terríveis que algumas pessoas tiveram, a chave esquecida pros binóculos, e os dois telégrafos que funcionaram a tarde inteira mandando mensagem dos passageiros para a família até que pifaram impedindo o recebimento de inúmeros avisos sobre a quantidade de icebergs naquela região do Atlântico Norte...

Não é o tipo de tragédia pra se achar um culpado, apesar de cada um que conhece a história acabe com uma pontinha de suspeita. Mas, com certeza, a arrogância e megalomania por parte de alguns influenciaram no destino do Titanic.
O RMS Titanic saiu com 2.200 passageiros, 1500 morreram e apenas 700 sobreviveram. Poderia ter sido mais.


A boa notícia é que depois do desastre algumas medias foram tomadas visando muito mais a segurança dos passageiros, como ter um telegrafista de plantão e o aumento no número de barcos salva-vidas. E a White Star Line ficou um pouco mais humilde; seu novo navio da classe do RMS Olympic, em vez de chamar Gigantic como previsto, virou “Britannic”.





Pra quem gostou, esse blog é fantástico. E o post de ontem contou, minuto a minuto, o que aconteceu: http://titanicmomentos.blogspot.com/
Lista de passageiros: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_passageiros_do_RMS_Titanic

quarta-feira, 14 de abril de 2010

"Nem Deus afunda esse navio!" - Parte I

O naufrágio do Titanic - que faz 98 anos hoje. Assunto um tanto peculiar e mal interpretado. Afinal, quem se interessa tanto assim por um navio? Bem, se eu tivesse o mínimo de aptidão na área de exatas faria Engenharia Naval sem pensar duas vezes =D

O relevante é que esse navio, que foi o maior do mundo em sua época, pode ser interessante de várias formas: você pode se interessar pela parte jurídica, todos aqueles processos mal-sucedidos de sobreviventes; pode ser a parte psicológica dos inúmeros passageiros; se você gosta de música pode conhecer o repertório da orquestra/banda [eu recomendo o/]; e se você é uma pessoa extremamente romântica e gosta de ver filmes no conforto de sua casa, pode se acabar de chorar assistindo ao filme do ‘rei do marketing’, James Cameron.

No começo do século XX, a empresa de navegação White Star Line (na verdade esse era o apelido por conta da estrela branca na bandeira - criatividade dos ingleses em alta) estava investindo em uma série de três transatlânticos que seriam puro loosho. O primeiro deles foi o Olympic, o segundo o famoso Titanic e o terceiro ainda era um projeto com o nome de Gigantic. Nada megalomaníacos e prepotentes, como podem ver.

O RMS Titanic foi construído nos estaleiros da Harland & Wolff em Belfast, na Irlanda do Norte; o projeto do casco ficou a cargo do arquiteto naval Thomas Andrews. O transatlântico em si era MARAVILHOSO: banho turco, quadra de tênis, o Café Parisiense, suítes em vários estilos, dois telégrafos Marconi e ainda ostentava quatro chaminés, sendo que uma só funcionava internamente e servia mais para deixá-lo imponente. As 1ª e 2ª classes tinham muito o que aproveitar, a 3ª classe... bem, era a 3ª classe; basicamente irlandeses, mas também tinham alguns finlandeses, suecos, franceses, argentinos... (Tinha um argentino na 1ª classe -> MOR-REU)

Apesar da propaganda maciça que fizeram em cima do novo navio, as pessoas não brigaram por passagens pra viagem inaugural. A maioria já estava muito bem acomodada em outros navios, dando destaque ao RMS Mauretania, da Cunard, que era o xodó dos passageiros. Mas ninguém contava com a greve dos carvoeiros, e para navios à vapor isso era um grande problema (uma fonte de gases para o aquecimento global pertinho de você :). A solução foi transferir os passageiros e a maioria foi para no tal Titanic. Assim o Titanic lotou e saiu do porto de Southampton, na Inglaterra, no dia 10 de abril de 1912, com destino a Nova York. Seu capitão era o experiente J. Smith o namorado da Pocahontas e ele fez questão de escolher seu Imediato que na verdade nunca se sentiu bem a bordo do Tiranic [spoiler]morreu também[/spoiler]. Essa pequena alteração rebaixou alguns oficiais e excluiu alguns outros (sorte deles).

A viagem já não começou muito bem. Logo que saiu, o Titanic por ser tão grande começou a puxar em sua direção um outro navio que estava ancorado por perto, eles quase colidiram e foi preciso os rebocadores fazerem uma mega manobra. Ok, passado o susto a viagem correu bem; pararam em Cherbourg, na França, deixaram uma galera, pegaram outra e seguiram para Nova York.

Na noite do dia 14 de abril, o Capitão Smith foi deitar e o Primeiro Oficial, William Murdoch, ficou cuidando das coisas. Às 23h40, os dois vigias no cesto da gávea avistaram uma coisa esquisita no horizonte, eles não tinham binóculos pois estes estavam trancados e a chave ficara com um dos oficiais substituídos (essa chave foi leiloada até). Enfim, Fred Fleet, um dos vigias, diz a famosa frase: “Iceberg right ahead” e aí a tragédia começa.

Eles informaram Murdoch imediatamente e este manda que revertessem os motores e depois carreguassem todo o leme a estibordo. Isso foi feito, mas não foi o suficiente, o navio mesmo assim colidiu com um iceberg do tamanho do mundo \hipérbolemodeON.

A galerë dentro no navio nem sentiu, ouviram um barulho e pronto, e agora teve início a jogada. Eles, óbvio, fizeram de tudo pra reverter a situação e enquanto isso os passageiros de nada sabiam. Só depois que a coisa ficou feia e o Thomas Andrews disse que eles tinham menos de 2 horas pra evacuar o navio. Eles começaram sutilmente pedindo que todos colocassem seus coletes e fossem pro convés, todos não aliás, as 1ª e 2ª classes. A orquestra do navio já estava no convés tocando musiquinhas legais pra despreocupar o povo.

Em princípio estava tudo mais ou menos, depois fez-se o caos.





Os músicos

e eu preciso de imagens em cores! Tenho medo :x

(Continua...)