sábado, 24 de julho de 2010

"Crianças não devem brincar com coisas mortas"

Em tempos de vampiros vegetarianos, mórmons mercenárias e "Orgulho e Preconceito... e Zumbis" (sim, isso é um livro!), venho falar da diva Anne Rice. Sim, aquela senhora de cabelo channel e atual católica fervorosa.
No anos 70, a sua filhinha morreu de leucemia e, em um estranho processo de luto, a mulher se tranca no quarto por uma semana e sai de lá com um livro escrito. Esse livro é "Entrevista com o Vampiro". Pois é, tem um filme com o Tom Cruise (me surpreendeu e à autora também), o Brad Pitt e a Mary Jane Kirsten Dunst. O livro fez bastante sucesso e nos anos 80 surgiu um segundo, "O Vampiro Lestat"; e esse foi só o começo da sequência de dez livros que compõem "As Crônicas Vampirescas".

Eu resolvi ler "Entrevista com o Vampiro" há uns três anos. Baixei o e-book pra saber se era bom, mas acabei terminando de ler o livro no computador mesmo porque até a metade ainda não sabia se tinha gostado. No ano passado resolvi avançar na coleção. Baixei (eu sempre faço isso, a medida do possível, pra saber se vou gostar e evitar gastar uma fortuna em um livro do qual irei amaldiçoar o autor pelo resto da vida) e não consegui largar - se eu tivesse visto que o livro tinha quase 800 páginas, eu teria ido à livraria antes-, depois corri pro terceiro até que tomei vergonha na cara e resolvi comprá-los (viu? Não é pirataria de livro q).
O fato é que, apesar da maioria dos fãs não gostarem muito, "Entrevista com o Vampiro" ainda é a obra-prima da moça, a meu ver. Imagine o que aconteceria se Clarice Lispector resolvesse escrever um livro sobre vampiros... Aliás, ela foi a tradutora do livro. "Entrevista..." é um livro bastante intimista até porque é narrado pelo personagem mais melancólico e introspectivo (poucos gostam dele e a maioria chamam-no de emo, mas ele é o alter-ego da autora \fikdik) e conta com a presença de um dos personagens mais ousados e criativos que já li: Cláudia, a criança-vampiro. A pobrezinha ficou presa pra sempre no corpo de uma criança de 5 anos, ou seja, desenvolvendo-se mental e não fisicamente. Os fãs geralmente a odeiam e olhando pela idéia da história é até plausível tal ódio, mas literariamente ela é excelente!
Anne Rice imortalizou sua filhinha ao criar a Cláudia, esse foi meio que seu processo de superação.

No próximo livro, "O Vampiro Lestat" temos a história do famoso Lestat (o Tom Cruise, gente...) que não é o vilão o qual foi pintado no livro anterior. No final desse livro já tem um gancho pro terceiro que é divertidíssimo e bem mais movimentado que os anteriores. Ao contrário da costumeira narração em primeira pessoa, "A Rainha dos Condenados" (ESQUEÇAM AQUELE FILME NOJENTO) é contada sob vários pontos de vista e isso dá um tom bem vivo para a história, aquela impressão de várias coisas acontecendo ao mesmo tempo.

Poréééém....já nesse livro vem aquela idéia de alguns vampiros serem super-poderosos, super-fortes, super-duros (!!! sem conotações, por favor), super-mimimi e isso tira toda a graça de como o vampirismo foi mostrado em "Entrevista...": quase uma metáfora. Parecia mais com a idéia de que se os seres humanos vivessem para sempre eles se comportariam daquele jeito.
O quarto livro, "A História do Ladrão de Corpos", é a mega-aventura-blockbuster da Anne Arroz. Divertido, com umas sacadas legais e bastante engraçado com um pouco de drama que não faz mal a ninguém. No quinto, "Memnoch", ela já dá mostras de voltar ao catolicismo, mas com uma visão bem própria e isso fez com que eu o pulasse. Depois de ler os devidos spoilers fui direto para o sexto que conta a história do personagem mais complexo das Crônicas, "O Vampiro Armand". O motivo para eu pular "Memnoch" é que não me agrada muito histórias polêmicas envolvendo religião, o máximo pra mim são teorias sobre o fim do mundo e conspirações de que o Papa João Paulo I foi assassinado. Parece um motivo tolo, mas eu tenho argumentos que seriam bem chatos de expor aqui.

Depois de ler o sexto, e gostar muito, ainda arrisquei umas olhadelas em "Merrick" (o sétimo) até desistir de vez. Tava na cara que a própria Anne já estava de saco cheio da saga que criara. Ela ainda acabou com a importância de alguns personagens e inventou de misturar a história das Crônicas com sua outra série, "A Hora das Bruxas", e isso foi imperdoável u.ú
E depois de se converter, tentou converter o Lestat - seu protagosnista irreverente - também. Chega a ser triste, sério mesmo.

Outra coisa que irrita um pouco é a impressão de que a Arroz era meio incerta com seus personagens. Um exemplo é a transformação de um Lestat, nobre francês sem dinheiro e quase analfabeto que vivia pra cuidar da família, em um semi-deus que pegava todas enquanto ainda era humano. Mesmo que o livro que conta a vida dele diga o contrário.

Felizmente, algumas contradições podem ser explicadas pelo fato de que cada livro trazer, primorosamente, o ponto de vista de um personagem e eles, geralmente, vivem tentando se redimir pelo que cometeram. Existe uma parcela de fãs que nem chega a discutir isso, enxergando como verdade absoluta uma narração em primeira pessoa. Acho isso um absurdo, ainda mais pra quem é brasileiro, logo tem "Dom Casmurro" na História da Literatura. Mas isso é outra história...

Não juguem mal, eu realmente amo a história e deixo os livros do 1º ao 6º recomendadíssimos (mesmo eu não tendo lido o 5º). A forma com que ela desenvolve as relações interpessoais dos personagens (e esse acaba sendo o ponto chave de suas histórias) é fantástica, o enredo é interessante, os personagens cativantes e a forma como ela consegue mudar a narração de acordo com o personagem é inacreditável *-*
E pelo menos ninguém brilha que nem uma fada =DD


Ela era super gótica antes :^)


Coisas que você não precisava saber:
- O Lestat tá looonge de ser meu personagem preferido. Esse lugar é do Armand, depois o Louis.
- Claudinha é DIIIIVA *-*
- Cliquem na tirinha e LEEEIAM. Ela é mais que digna \o/ (sim, aquilo é o Edward e o Lestat)

4 comentários:

  1. eu tinha visto essa tirinha! :D HUASIHASUIHASUIASHIUAS
    e eu tive crises de riso todas as vezes qe li 'a Arroz' SUIAHASUIASHUIASHI :X

    ResponderExcluir
  2. eu amoooo "Entrevista com vampiro", odeio crepusculo vc sabe porque shUSHuhsuHS
    eu nao tenho nada contra claudia =\
    Arrooz shushush
    beeeijos *:

    ResponderExcluir
  3. Vai ver ela foi mais uma que virou refém de sua obra.

    ResponderExcluir
  4. Adorei ver você falando da série de livros (aqui e no vlog), na verdade o quinto livro é o meu preferido ever, amo os diálogos com o diabo e como depois da vibe "deixa o cara contar a versão dele" ele não parece assim tão mal (*pessoa atéia que vê o diabo como qualquer outro ser mitológico fascinante), na verdade parei aí, com um medo (quase premonitório) de que os próximos livros pudessem estragar a experiência incrível desse (tenho dessas), uma pena vc ter pulado, mas sendo a pessoa que parou no meio da série por uma confiança cega na intuição, não faria muito sentido pedir que você reveja isso, rsrsrs.
    Ah! À propósito amo o lestat e a cláudia, mas adoro ouvir suas opiniões, mesmo sendo contrárias às minhas(não sou do tipo birrenta, rs). Bjos

    ResponderExcluir