domingo, 24 de outubro de 2010

"Eu pareço metido, mas sou legal"

"I am not dead yet (isso é uma música, tá?)

Direto ao ponto: eu li "Orgulho e Preconceito".

Uma vez a Carol me disse que a Jane Austen era tipo um Charles Dickens de saias, porque enquante este sempre falava dos órfãos fofinhos precisando de carinho, ela sempre fala das mocinhas casadoiras. Tem um pouco de provocação nisso, porque eu AMO Dickens, mas... pior que é verdade. No caso da Jane Austen, são sempre irmãs em idade de casamento e sempre aparecem bons partidos, mas rola um desentendimento em alguma dimensão e assim vai...

Tem gente que acha que a vida do autor super deve ser levada em conta ao se ler um livro, outros acham que não, eu acho que depende. No caso dela é uma observação interessante. A pobre Jane morreu solteira e era considerada sem atrativos; há quem diga que ela até teve um romance que não deu certo, e isso é mostrado naquele filme "Simplesmente Jane", onde eles transformaram a vida dela em um de seus livros u.ú

Ela era bem a frente de seu tempo e irônica o suficiente pra incomodar seus leitores, já que sempre fazia uma crítica ao estilo de vida da aristocracia rural inglesa do século XVIII.

Não vou contar como é a história do livro, porque é muito grande cheia de picuinhas, mas o básico é: um cara mega rico, mr. Bingley, compra uma mansão no campo e a sra. Bennet logo quer casá-lo com sua filha mais velha (ela tem cinco), Jane, enquanto isso o riquinho que é super simpático e sorrindente traz um amigo, o mr. Darcy, que parece ser antipático e orgulhoso demais por ser muuuuuuito mais rico que todas as pessoas do salão de baile (onde todos dançam minuetos) juntas. A segunda irmã mais velha, Elizabeth, de cara não se entende com ele, maaaaaaas com o passar do tempo ^^...

Pois é, eu gostei bastante. Como não sou nada romântica, "Orgulho e Preconceito" foi bem mais agradável de se ler por não ser tão apaixonado, até porque seus protagonistas tem a língua afiada que só e não se entendem, e isso, geralmente, causa situações não românticas (??). O mais bisonho é a mulher lá em 1700 e bolinha deixar a tensão sexual entre a Elizabeth e o Mr. Darcy tão óbvia no meio dos desentendimentos o.O

Aliás, aqui vai ponto pro filme (OH, quem diria!). Ele só mostra que o Mr. Darcy tá afim da Elizabeth, mesmo que você já tenha percebido isso, quando ele vai falar com ela e se explica, E ELA TIRA ELE, A-D-O-R-O! No livro, logo no começo, a autora fala que ele começou a olhar pra ela com outros olhos, e isso não funcionou pra mim; sei lá, fugiu um pouco do ponto de vista da Elizabeth.

É muito legal o jogo que autora faz com uma coisa tão simples como é o fato de alguém ser tímido/instrospectivo o suficiente pra parecer metido e orgulhoso. Ainda mais em uma sociedade que preza a extroversão e vive de aparências (ok, vou fingir que a nossa sociedade não é assim, beijos:*). Isso sem contar as outras alfinetadas que ela dá nos costumes da época :x

No final, o Mr. Darcy faz o estilo "pareço metido, mas sou legal" e o Mr. Wickham é mais o estilo "pareço legal, mas sou babaca" é, eu meio que dei um orkut pros personagens (agora o título tosco faz sentido)

Curiosidades:
> No filme há um final "especial" pro público estadunidense. Como no filme não há nenhuma cena de beijo, por mais que você ache que vai ter uma, eles criaram um final alternativo com o "tão esperado" beijo ¬¬ Porque todos sabem que o cinema norte-americano é feito, no geral, de pegação e falta de sutileza.
> É meio convencionado que o Mr. Darcy é o sonho de qualquer mulher... Tá, isso é meio exagerado, mas o fato é que o personagem virou referência.
Só pra vocês teram uma ideia: esse ano, acharam um feromônio na urina do rato que atrai as fêmeas, deram o nome da proteína de Darcin.
Algo menos sem noção, aquele "O Diário de Bridget Jones" é uma releitura de "Orgulho e Preconceito", tanto que o parzinho dela também tem o sobrenome Darcy.
> O título original era "First Impressions". Funcionava também, mas é menos interessante.
> Falando nisso... Já repararam nos títulos originais? "Sense and Sensibility" ("Razão e Sensibilidade") e "Pride and Prejudice" ("Orgulho e Preconceito"). Jane Austen só no trocadilho *cara de maloqueira*!

4 comentários:

  1. HAHAHAHAHAHAHA, só no trocadilho, FÍ. HASUIHASIASHHASIASHIASH xD
    mas hein. "éduardi e béla é melhor" -nn

    ResponderExcluir
  2. heiuheiuheuhe
    Eu senti falta de beijo no filme mesmo
    Acho tão estranhas essas estórias do séc 18. É tudo tão escrachado, mas tudo tão reprimido, me dá agonia. O único que li dessa época foi As Ligações Perigosas, que é bem amoral e tal, e mesmo assim a repressão e a enrolação são tão grandes ehehehe

    ResponderExcluir
  3. eu acho que vi o filme mas nao lembro huahuaah
    Voce falou do preconceito com pessoas introspectivas, ngm gosta de gente assim pq parecem metidos e sem graça aparentemente o.o
    enfim hsuhsush
    vou ver o filme de novo!!
    beeijos :*

    by: Reêêêê!!

    ResponderExcluir
  4. E o livro chamado "Persuasão", onde está seu Deus agora?

    =p

    ResponderExcluir