terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Um Post de Natal

Se tem uma época do ano que eu realmente amo, não é nem meu aniversário, é o Natal!!

E o pior é que Natal parece ser bem ame ou odeie, e geralmente as pessoas que odeiam reclamam de toda a falsidade envolvida, etc.

Então um dia eu me peguei pensando: "Um Conto de Natal", do Charles Dickens, deve ser a história natalina mais famosa de todos os tempos. Sério, todo mundo conhece o "eeeu sooou o espííírito do Nataaal do Passaaado...BUU!" E essa história fala precisamente sobre o quê? Um velho rabugento que odiava o Natal e foi condenado por isso.

Pelo jeito, a Inglaterra vitoriana tem muito a ver com o que conhecemos hoje como o Natal. E não é só ela, a Europa num geral transmitiu isso entre si e pros seus rebentos; leia-se, colônias.

Quer dizer, de onde veio essa ideia de bondade e sorrisos? Parece que juntaram a famosa filosofia cristã de "amai-vos uns aos outros"+ nascimentos que quase sempre são alegres + uma dose de felicidade inocente e canções; põe tudo isso junto de uma guirlanda e um pinheiro enfeitados, incorporados de uma religião pagã e TANDAM: so this is Christmas!!
Depois a parte comercial ficou mais...aflorada, digamos, e a Coca-Cola mudou a roupa do Papai Noel, mas deixemos isso pra lá. Todo mundo já sabe :^)

O interessante é que desde o meu querido Charles Dickens lá em cima, o Natal já podia ser considerado uma data meio transcendental. Tipo, é o nascimento de Jesus, mas se você não curte a ideia pode apenas levar em conta como um ótimo momento para fazer alguma coisa boa, ou ser legal com as pessoas. Nem que seja no último mês do ano.
Isso pode envolver e/ou parecer falsidade para muitos, mas funciona pra mim. Sério.
Se eu posso realmente desejar que a pessoa tenha uma boa festa, um feliz Natal, porque eu não faria isso? E pensa, às vezes você fala isso da boca pra fora, mas pra pessoa que ouviu foi uma coisa boa.

É meio que uma data em que pelo menos todo o mundo ocidental respira a mesma coisa; por isso eu nem implico tanto com a decoração tipicamente europeia. Gente, isso é MÁGICO!
Sério mesmo, as luzinhas são ótimas e as pessoas podem ser bastante criativas na hora de enfeitar os lugares (nunca me esquecerei dos Presépios típicos que eu vi uma vez *-*)
E tem todas aquelas referências que você conhece desde que nasceu, tipo as músicas e a história do Quebra-Nozes, Grinch, episódios natalinos especiais em todos os lugares... Sério! Sabe aquela sua série favorita, ou o desenho que você sempre assistia quando criança (tudo que eu vejo até hj :x)? Tem um episódio de Natal, certeza!!
Então, porque ficar reclamando sobre o quão comercial o Natal é, se até Che Guevara e Mao Tsé-Tung são comerciais?


Pra que reclamar que as pessoas são falsas? Seja falsa com elas também, já que é assim.
Veja alguns filmes inocentes e bobos com crianças brincando na neve e ficando sozinhas em uma casa que é alvo de bandidos.

Escute aquelas músicas inconfundíveis e fofinhas (do tipo que me fazem sorrir que nem uma besta, balançar que nem uma autista e ficar emocionada) e se não gosta, pelo menos cante-as pra outra pessoa, só pra irritá-las.
Pelo menos uma vez no ano veja o lado bom e divertido da coisa, e se não tiver nenhum, invente ^^

Por isso, um Feliz Natal a:
> todos os Scrooges por aí;
> todas as Claras e seus Quebra-Nozes (e que elas tenham boa sorte com o Rei-Rato);
> aos presepistas e decoradores (mesmo que todos viremos um pouco disso nessa época) - sem vocês não seria a mesma coisa;

> a todos os que celebraram o Hanukkah, mas nesse caso seria Feliz Hanukkah =D
> e um especial a todos os meus familiares e amigos =DD


Eu disse que ficava toda boba nessa época...
Pra quem entender, é o momento em que eu viro INFJ :x



P.S1.: Vai rolar um #now playing aqui no final do post. Por culpa das aulas até a semana do Natal, eu estava completamente fora do clima, então vi filmes natalinos como "Os Fantasmas de Scrooge" e abri minha pastinha de músicas natalinas (não me julguem!!). Mas foi quando eu ouvi a versão que o Brendon Urie fez para "White Christmas" que eu me inspirei totalmente, foi tão espontâneo *-* aH! Eu não conheço uma pessoa que não goste dessa música, é famosona!! E ficou tão legal... parem de reclamar porque a voz dele tá grave ¬¬

P.S2.: eu não consigo gostar do Ano Novo. Não sei se é a perspectiva de ficar mais velha, ou a perda do aconchegante clima natalino... Pode ser também porque as pessoas o transformaram em uma espécie de Carnaval, trocando as penas por roupas brancas e lingeries representando seus desejos para o novo ano ._.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

/vəˈrɒnɪkə/ - segundo o Alfabeto Fonético Internacional

Eu tenho uma pequena obsessão narcisista: encontrar coisas relacionadas ao meu nome.
O problema é que não existe NA-DA com o meu nome.

Sabe... hoje eu assisti "Across the Universe", e não, eu não irei fazer um post resenha porque já xinguei muito no twitter...
Mas o filme me fez lembrar que quando eu era menor cismei que um dia encontraria uma música dos Beatles com meu nome (esse foi meio que meu momento Scarlett O'Hara... "Com Deus como testemunha", etc...) e de quebra ganharia alguns milhões com isso.
Hoje estou bem conformada que tal música não existe e que o máximo que eu ganharia seria um processo ._.
Pois é, se nem o povo que mais adorava fazer música com nome de gente fez uma com Veronica, a coisa fica bem desanimadora, né?

Então fui pra nomes de personagens... Não existe. "Verônica" não é carismático o suficiente. Portanto, o momento de maior felicidade pra mim foi quando chamaram a Violet Baudlaire, de "Desventuras em Série", de Verônica. Foi tão épico *-*
Também teve uma novela mexicana com uma Verónica como protagonista, mas ela era chata e a vilã, Virgínia, era muito mais legal ¬¬
E pra piorar, o nosso best-seller, Paulo Coelho, resolve nos brindar com "Veronika Decide Morrer". Porque o mundo precisa se lembrar de uma Verôni(k)ca suicida, tanto que virou filme.
E tem um filme brasileiro favela-padrão chamado Verônica... Justo quando o cinema brasileiro estava saindo do cubinho D:

Mas algumas coisas se salvam! Apesar do meu nome ser dificílimo de se encaixar na métrica de qualquer música, alguns até ousam.
Um dia eu o procurei no Vagalume. Eles me retornaram até bastante coisa, tipo umas músicas em polonês...
No meio disso tudo eu descobri que o Elvis Costello junto com o Paul McCartney fizeram uma música chamada "Veronica" (OMG um beatle lembrou de mim. Eu sempre gostei mais de você, Paul ;D). E a música foi inspirada na avó do Elvis Costello que sofria de Alzheimer. Não era bem o que eu esperava, maaaaaas...
Essa não foi a peróla que eu achei, "Odessa (City on the Black Sea)", do Bee Gees, foi a epifania. "Veronica" é um navio, navio!!!!, inglês que sumiu (isso na música, porque na vida real fizeram um motim e ele foi incendiado - momento Jack Sparrow). MÁÁÁÁÁGIIIIICOOOO.

Agora quanto a personagens legais chamados Veronica, temos a "Veronica Mars". Que emoção, porque ela é tããão inteligente e a série é tãããão legal :D
E pra quem assistia "Archie e Seus Mistérios", lá tinha uma Veronica (mas eles falavam mais "Ronnie" u.u - a da esquerda) que era amiga/rival da Betty. O desenho nem é tão famoso por aqui, mas tem o seu próprio artigo no TV Tropes (y)
E pelo menos a Veronica Lake existiu, e ela é uma atriz hollywoodiana clássica \o/ Esse não era o nome dela de verdade, mas foi uma escolha inteligente (hh)
E existe uma planta também...

Enfim, continuo me sentindo meio rejeitada pelo nome proparoxítono-que-não-se-encaixa-em-métrica-nenhuma-nem-é-carismático-o-suficiente...

Quer dizer, minha amiga, Carolina, tem uma música do Angra que foi minuciosamente pesquisada e composta inspirando-se nos promórdios da música brasileira misturado com instrumentais clássicos e speed-metal. E o "Carolina IV" da música foi um navio de Colombo. Colombo é importante!

E se seu nome é "Carmem", tem a ópera e a Carmem Sandiego; se é "Carlos", tem o Carlos Gardel; se é "Leonardo", tem a tartaruga ninja *-* o Leonardo DiCaprio DaVinci; se é "Jacqueline", tem a música do Franz Ferdinand; se é "Helena", tem todas as personagens do Manoel Carlos aicredo; se é "Raskólnikov", tem "Crime e Castigo".
Tá, esse último foi apelação.

Tudo bem, eu sobreviverei e pelo menos me salvo de ter pessoas fazendo referências que eu teria que tolerar pelo resto da minha vida \o/ \o \o> \o/
Brincadeira, dou-me por satisfeita.

P.S1.: minha amiga, Renata, já ouviu "Renata ingrata" de várias pessoas. Isso é triste, porque essa é uma das piores rimas da história da música (aliás, isso não está na história da música), além da música em si.
P.S2.: eu odeio jeito que meu nome soa em inglês.
P.S3.: possíveis comentadores, podem me fazer inveja e contar o quanto seus nomes são queridos. Sério eu gosto dessas palas com nomes ^^