quarta-feira, 2 de maio de 2012

Not so super, heroes

    Com todo esse hype em torno de Os Vingadores eu tive de parar tudo e ir ver esse filme. Literalmente.
    Vou começar resumindo a história um pouquinho: Marvel cria sua própria Liga da Justiça. Ponto.
Explicando melhor: o vilão da vez é Loki - o já conhecido cara dos chifrinhos e arqui-inimigo do Thor. Para lutar contra Loki e seu plano malévolo alguns herois já conhecidos são chamados, como o Homem de Ferro, o Capitão América esse nome é muito indigno!, a Viúva Negra e o Hulk. O problema é que cada um deles já é recheado de problemas e nem todos estão dispostos a trabalhar em conjunto. E é basicamente isso que interessa no roteiro do filme.

    Se você está achando que minha resenha tem um tom amargo, acertou (apesar de eu amar essas histórias que misturam tudo). Os Vingadores traz alguns probleminhas que o fazem ficar longe , na minha opinião, de fazer jus a todo esse alvoroço de que esse é o melhor filme do ano (wait wat o ano tá em maio oi?). 
     A começar pelo roteiro. Ok, você pode ter amado o filme, mas dizer que aquele roteiro é digno, ele não é. Sinceramente, ninguém parecia estar se importando com o grande plano de Loki e as coisas aconteciam simplesmente por acontecer, como uma colcha de retalhos de cenas de ação e diálogos sarcásticos. Eles flertam com vários plots, mas nenhum tem um grande impacto. O outro probleminha são os atores... Robert Downey Jr. (Homem de Ferro) mesmo interpretando a si mesmo carregou o filme nas costas com uma ajuda do Tom Hiddleston (Loki) - por ser o vilão e todo mundo gosta dos vilões - e do Chris Evans (Capitão América), por conta da implicância mútua com Tony Stark, o que criava situações interessantes. Mark Ruffalo (Hulk) mandou bem e até poderia ter ajudado mas suas aparições não são muitas. Scarlett Johansson parecia só ter duas expressões: a "estou com raiva" e a "já passei por muito sofrimento na minha vida". Menino Thor [/insira nome do ator aqui] é uma porta, uma porta bonita pra quem curte o estilo, mas ainda assim uma porta. 

      Claro que nem tudo é tão ruim que não possa ficar pior assim. Ao contrário do que vocês devem estar pensando eu curto sim as cenas de ação, e óbvio que elas são um deleite. Explosões, brigas, mais explosões, tiros, mais brigas e por aí vai... E as piadas estão muito boas! Sabe aquele humor sarcástico e irônico de super-heroi? sempre tive a impressão que é o estilo de humor deles Tem aos montes! As piadinhas com o Hulk no começo do filme são particularmente hilárias e, claro, o sarcasmo de Rober Home Tony Stark. Mas mesmo as piadinhas começaram a se desgastar no final, porém admito que esse problema parece ter sido só comigo porque o cinema estava morrendo de gargalhar (: Outra coisa boa é a caracterização que vai desde a forma old-fashioned do Capitão América de falar até as diferenças de personalidade mais profundas que é justamente o que dificulta o trabalho em equipe dos Vingadores.
 Não, eu não odiei o filme, mas está longe de ser algo que eu vá citar como o ultimato dos filmes de super-heroi. Muitos podem dizer que nesse estilo de filme roteiro não é importante, mas aí é que eu digo que é sim. Os roteiristas tem de parar de pensar que só porque o público gosta de ação é só isso que ele quer ver; quando isso acontecer aí sim teremos um filme de respeito porque o potencial está TODO ali.

P.S1.: Eu também entendi a referência do "flying monkeys", Cap (y)
P.S2.: Tenho certeza que o filme tá LOTADO de referências aos fãs dos quadrinhos, prestem atenção!
P.S3.: Nunca vou entender figurino de super-heroi. Fato.
P.S4.: Thor, toda vez que você grita "nooooooo" o Ragnarok parece estar mais perto de tão constrangedor que é. Então, por favor, pare. Grata.


Um comentário:

  1. Você esqueceu do arqueiro! Ele passou despercebido, e pelo o q entendemos não foi chamado oficialmente mas no final ele meio que entra para os Vingadores, minha opinião rs
    Beijos

    ResponderExcluir